sexta-feira, 19 de março de 2010

Patrimônio Histórico de Rio de Contas, na Bahia, é marcado pela originalidade

Por Carlos Lima (*)

Ruas calçadas com pedras largas, sobrados imponentes, casarões na maior parte do meio urbano, assim é a cidade baiana de Rio de Contas, localizada a 738 Km de Salvador e integrante da Região Sudoeste do Estado, mais precisamente na Chapada Diamantina.

O município atualmente com cerca de 13.816 habitantes (Fonte: IBGE, 2009) foi criado por Provisão Real (documento que autorizava a criação de uma vila) em 1745 e foi a primeira cidade planejada do Brasil, onde estão conservados, entre outros, igrejas barrocas, casario em adobe e monumentos públicos e religiosos em pedra.

Os primeiros habitantes da região de Rio de Contas foram escravos alforriados que se instalaram à margem direita do rio que possuiu o mesmo nome da cidade, vindo a chamar-se posteriormente Rio Brumado (Fonte: Wikipedia), uma das belezas naturais da localidade. A história da habitação do município aponta também a existência de alguns povoados isolados, tais como Bananal e Barra, cujos moradores são descendentes de negros escravos, e o de Mato Grosso, formado apenas por brancos de origem portuguesa.

Durante a segunda metade do século XVIII, o local atraiu a atenção de muitos em função da descoberta de ouro de aluvião pelo bandeirante Sebastião Pinheiro da Fonseca Raposo Tavares, fato que trouxe grande prosperidade econômica para aquele povoado. A abundância de ouro era tamanha que nas procissões da festa do Divino Espírito Santo, pó de ouro era lançado nos imperadores e rainhas que participavam daquela celebração.

É também a partir de 1750 que surgem os casarões em estilo colonial, que se destacam por sua originalidade e também por sua forte presença em toda uma imensa extensão do meio urbano, a qual é denominada de Núcleo Histórico. Percebe-se, após um breve passeio por aquele Núcleo, que ao longo do tempo a comunidade manteve intacta grande parte do riquíssimo patrimônio histórico que possui. A presença do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) na cidade também vem colaborando sobremaneira tanto para o respeito ao tombamento daquele patrimônio quanto para a construção de uma consciência coletiva sobre a importância da preservação.

O ouro impulsionou a economia e marcou a história de Rio de Contas no seu passado(até 1800), mas atualmente o município tem sua vocação destinada ao turismo ecológico e cultural. Entre as riquezas naturais estão o rio que passa pela cidade, a Barragem do Rio Brumado (a 2 Km do centro), a Cachoeira do Fraga (a 900 m do centro) e o Pico das Almas (1.958 m de altura). Quanto ao patrimônio histórico, podem-se destacar a Estrada Real (aberta a cerca de 300 anos por escravos, é uma via de ligação ao município vizinho de Livramento), a Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento (1744), o Museu Zofir Brasil, a Igreja de Nossa Senhora de Santana e o Arquivo Público Municipal, este com valioso acervo documental sobre Rio de Contas(cartas de alforria, sentença eclesiástica e certidões de escravos, datados desde 1724).

Além de uma excelente opção para o turismo, conhecer Rio de Contas é o despertar para a necessidade de preservação em outros lugares do Brasil, especialmente aqueles compostos por casarios antigos, ruas calçadas com pedras, acervos ricos em documentos, peças museológicas e monumentos, sem contar na fauna e na flora.

Paracatu é uma cidade que se destaca, entre outros, pela exploração de ouro e outros minérios, o que, aliás, muito contribui para movimentar a economia local. No entanto, a cidade possui uma riqueza que pode permanecer por muito e muito tempo disponível, caso seja valorizada, que é o seu patrimônio histórico, capaz de atrair turistas do Brasil inteiro.

(*) Carlos Lima é graduado em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia, é Coordenador do Arquivo Público Municipal de Paracatu e esteve em Rio de Contas-BA em fevereiro de 2010.

Fonte: Paracatu Memória

3 comentários:

Anônimo disse...

RIO DE CONTAS SENDO CRITICADA POR TER SIDO ESCOLHIDA A CIDADE BAHIANA DA CULTURA!!!ATÉ QUANDO OS CHAMADOS FORASTEIROS VÃO CRITICAR OS RIOCONTENSES???DISSERAM EM UM OUTRO BLOG QUE NÃO SABEMOS O QUE É CULTURA!!!EU NÃO SEI É SE ELES SABEM O QUE É CULTURA!NÓS RIOCONTENSES VIVEMOS E VIVENCIAMOS A CULTURA!E VIVA O CONJUNTO ARQUTETÔNICO,NOSSA ARTE,NOSSAS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS,NOSSAS FESTAS TRADICIONAIS,NOSSA CULINÁRIA,NOSSA MÚSICA!ANTES DE VIREM MORAR AQUI,DEVERIAM COLOCAR O CORAÇÃO ACIMA DE TUDO.POR ISSO O RIOCONTENSE É FELIZ AQUI,PORQUE AMA DE CORAÇÃO A CIDADE.SE O PREFEITO FAZ OU NÃO FAZ,AGORA É IMPOSSÍVEL VOLTAR ATRÁS.A ESCOLHA FOI ERRADA E ELE NÃO APÓIA NEM FAZ NADA A FAVOR DA NOSSA CULTURA,O PROBLEMA É DELE.RIO DE CONTAS NÃO MERECE ESTÁ SOFRENDO ESSE TIPO DE CRÍTICAS.O PROBLEMA DOS CRÍTICOS É POLÍTICO,ENTÃO QUE SEJA RESOLVIDO ENTRE VOCÊS E O PREFEITO.DEIXEM RIO DE CONTAS EM PAZ!!!ESTÁ EM PRIMEIRO LUGAR,SÓ ALEGRA QUEM AMA ESSA CIDADE FANTÁSTICA!!!

annaangelicaalmeida disse...

ENVIEI ESSA REPORTAGEM PRÁ TODOS OS MEUS AMIGOS DO BRASIL E ATÉ NOS ESTADOS UNIDOS.ISSO É INCRÍVEL!!!ADORO MORAR AQUI!!!

Anônimo disse...

PARABENS RIO DE CONTAS.
E AOS CRITICOS, DIGO, INVEJESOS, SAIBAM QUE CULTURA NAO SE COMPRA E NEM SE CRIA POR DECRETO. ANTES DE MARCIO SE RPREFEITO JA EXISTIA TODAS AS MANFESTAÇOES QUE CULMINARAM NA ESCOLHA DE RIO DE CONTAS COMO CAPITAL BAIANA DA CULTURA.PARABENS RIO DE CONTAS.PARABENS MARCIO!